Linguagem
Depoimentos e Lista de E-mail

Forneça seu endereço de e-mail e receba ofertas especiais e promoções

Promoção

PASSEIO DE BALÃO POR APENAS 

Mais..
  • 4 Dias Fethiye-Olympos...
  • 13 dias de turismo na Turquia – Istambul, Capadocia, Efesos, Pamukale e Antalya de avião a partir de 1105 Euros...
  • 12 dias de turismo em Istambul, Capadocia, Fethiye, Pamukale e Efesos de avião a partir de 985 euros...
  • 10 Dias de turismo na Turquia - Istambul, Gallipoli, Tróia, Efesos, Pamukale, Konya e Capadocia de ônibus a partir de ...
  • 9 dias de turismo pela Turquia - Istambul, Capadócia, Pamukkale e Éfesos de avião a partir de 880 Euros...
  • 8 dias de Tour pela Turquia - Istambul, Capadócia, Pamukkale e Éfesos de avião, a partir de 830 Euros...
  • 8 Dias de Tour pela Turquia - Istambul, Pamukkale, Éfesos, Antalya de avião e de ônibus a partir de 675 euros Partid...
  • 6 Dias de turismo em Istambul, Gallipoli Tróia e Éfesos...
  • Circuito na Turquia 5 dias Istambul, Gallipoli e Tróia Tour de onibus...
  • Circuito na Turquia - 2 dias na Capadócia partindo de Istambul a partir de 345 Euros...
Sobre a Turquia
Sobre a Turquia
A Turquia, cujo nome oficial é República da Turquia, é um país euro-asiático que ocupa toda a península da Anatólia, no extremo ocidental da Ásia, e se estende pela Trácia Oriental (também conhecida como Rumélia), no sudeste da Europa. É um dos seis estados independentes cuja população é maioritariamente turca. Faz fronteira com oito países: a noroeste com a Bulgária, a oeste com a Grécia, a nordeste com a Geórgia, a Arménia e o enclave de Nakichevan do Azerbaijão, a leste com o Irão e a sudeste com o Iraque e a Síria. O Mar Mediterrâneo e o Chipre situam-se a sul, o Mar Egeu a sudoeste-oeste e o mar Negro a norte. O Mar de Mármara, o Bósforo e o Dardanelos (que juntos formam os Estreitos Turcos) demarcam a fronteira entre a Trácia e a Anatólia e separam a Europa da Ásia.
Os turcos começaram a migrar para a área que é atualmente a Turquia ("terra dos turcos") no século XI. O processo foi acelerado pela vitória do Império Seljúcida sobre o Império Bizantino, na Batalha de Manziquerta. Os turcos seljúcidas constituíram um poderoso reino na Anatólia nos 150 anos seguintes, o Sultanato de Rum, que governou grande parte da Anatólia até às invasões mongóis, em meados do século XIII. A decadência do sultanato seljúcida deu origem à independência e expansão política e militar de uma série de beilhiques (principados muçulmanos), entre eles o dos otomanos, que viriam a absorver os restantes beilhiques e a criar o Império Otomano, que no seu auge, nos séculos XVI e XVII, se estendia desde o Sudeste da Europa ao Sudoeste da Ásia e Norte da África. Após o Império Otomano ter entrado em colapso, na sequência da derrota na Primeira Guerra Mundial, os seus territórios foram ocupados pelos aliados vitoriosos. Um grupo de jovens oficiais militares, liderados por Mustafa Kemal, organizou uma resistência contra os Aliados, e em 1923 estabeleceu a moderna República da Turquia, com Kemal Atatürk como seu primeiro presidente.
A localização da Turquia, entre a Europa e a Ásia, torna o país geoestrategicamente importante.9 10 A religião predominante no país é o Islão, com pequenas minorias de cristãos e judeus. A língua oficial do país é o turco, falado pela esmagadora maioria da população. A segunda língua mais usada é o curdo, falado pela maior minoria do país, os curdos, que representam cerca de 18% da população. As restantes minorias constituem entre 7 e 12% da população.11
A Turquia é uma república constitucional democrática, secular e unitária, com uma antiga herança cultural. O país tem relações estreitas com o Ocidente, nomeadamente através da sua presença em organizações como o Conselho da Europa, OTAN, OCDE, OSCE e G20. A Turquia iniciou as negociações de adesão plena à União Europeia em 2005, da qual é membro associado desde 1963 e com a qual tem um acordo de união aduaneira desde 1995. O país também tem fomentado estreitas relações culturais, políticas, económicas e industriais com o Médio Oriente, com os estados turcos da Ásia Central e com os países africanos através da participação em organizações como a Organização da Conferência Islâmica e a Organização de Cooperação Económica. Graças à sua localização estratégica, à sua grande economia e ao seu exército, a Turquia é classificada como uma potência regional.
 
O nome da Turquia nas línguas europeias latinas provém do latim medieval Turchia, cuja primeira referência conhecida é de cerca de 1369, e é muito semelhante ao termo Τουρκία do grego medieval.
O nome da Turquia em turco (Türkiye) é composto de duas partes: türk e o sufixo iye. Türk significa "ser humano" ou "forte" nas antigas línguas turcomanas, e geralmente aplica-se aos habitantes da Turquia ou aos membros de povos turcos ou turcomanos. O sufixo iye significa "proprietário" ou "relacionado com" e é derivado do árabe iyya, mas também pode estar associado ao sufixo ia de Turchia do latim medieval e ao sufixo ία (de Τουρκία) do grego medieval.
As primeiras referências escritas ao termo türk ou türük, datadas do século VIII, encontram-se nas inscrições de Orkhon, encontradas no vale do mesmo nome, na Mongólia, produzidas pelos Göktürks (turcos celestes ou azuis).nt 2 O termo está ainda relacionado com tu–kin ou tu-jue, nome dado pelos chineses aos povos que viviam a sul das Montanhas Altai, que aparece em documentos de 177 a.C.
 
A Península da Anatólia, que constitui a maior parte do que é hoje a Turquia, é uma das regiões continuamente habitadas desde há mais tempo. Os assentamentos neolíticos mais antigos, como Pınarbaşı, Aşıklı Höyük, Kaletepe Deresi, Çatalhüyük, Çayönü, Nevalı Çori, Hacilar e Göbekli Tepe e Yumuktepe (esta última dentro da atual cidade de Mersin), encontram-se entre os mais antigos do mundo.
 
O assentamento de Troia foi fundado no Neolítico e foi habitado até à Idade do Ferro. Ao longo da história, os anatólios falaram línguas indo-europeias, semíticas e caucasianas meridionais, além de outras de filiação incerta.16 A antiguidade da língua hitita indo-europeia e das línguas luvitas levou alguns estudiosos a pôr a hipótese da Anatólia ter sido o centro a partir do qual as línguas indo-europeias se difundiram.
Os hatitas (ou hatti) foram um povo que habitou o centro da Anatólia cerca de 2 300 a.C., senão antes. Os hititas estabeleceram-se na Anatólia e gradualmente absorveram os hatitas, cerca de 2 000-1 700 a.C.,18 19 fundando primeiro grande império da área, que existiu entre os séculos XVIII e XIII a.C., rivalizando em poder com o Antigo Egito.
O assentamento calcolítico de Kaneš (ou Kanesh ou Neša em hitita), situada junto à atual aldeia de Kültepe, perto de Kayseri, foi habitado desde o 4º milénio a.C. e tornou-se o primeiro entreposto comercial da história. No século XX a.C. existiam no local duas localidades — a cidade hitita de Kaneš e a de Karum, uma colónia assíria, onde florescia o comércio entre hititas e assírios. Os assírios colonizaram partes do que é hoje o sudeste o centro-leste da Turquia entre 1 950 a.C. e 612 a.C., ano em que os caldeus conquistaram o Império Assírio da Babilónia.
Após o colapso do império hitita, os frígios, outro povo indo-europeu tornou-se o mais poderoso da região, até que o seu reino foi destruído pelos cimérios no século VII a.C.23 Os estados mais poderosos dentre os sucessores dos frígios foram a Lídia, a Cária e a Lícia.
A partir de 1 200 a.C., as costas da Anatólia foram intensamente colonizadas por gregos eólios e jónicos, que fundaram inúmeras cidades importantes, como Mileto, Éfeso, Esmirna e Bizâncio. O primeiro estado estabelecido na Anatólia que foi chamado de Arménia pelos povos vizinhos, mencionado por Hecateu de Mileto e na inscrição de Behistun, foi o da dinastia Orôntida, fundado no século VI a.C., durou até 72 d.C.
A Anatólia foi conquistada pelo Império Aqueménida nos séculos VI e VII a.C. e posteriormente por Alexandre, o Grande em 334 a.C.26 Após a morte de Alexandre, a Anatólia foi dividida em pequenos reinos helenistas, nomeadamente a Bitínia, a Capadócia, Pérgamo e o Ponto. Todos estes reinos tinham sido absorvidos pela República Romana em meados do século I d.C.27 A Arménia Arsácida, o primeiro estado da história a adotar o Cristianismo como religião oficial, ocupava parte da Anatólia Oriental.
Em 324 o imperador romano Constantino I escolheu Bizâncio para capital do Império Romano, rebatizando-a de Nova Roma (após a sua morte mudaria de nome para Constantinopla e atualmente chama-se Istambul). Constantinopla foi também a capital do Império Romano do Oriente, que existiu intermitentemente entre 286 e o século V, e que passaria a ser conhecido como Império Bizantino, sobretudo depois da Queda do Império Romano do Ocidente, no final do século.
 
Os seljúcidas eram um ramo dos turcos oguzes (Kınık Oğuz ou Oğuzlar) que no século X viviam na periferia dos domínios muçulmanos dos Abássidas, a norte dos mares Cáspio e de Aral, num dos yabghu khagans da confederação oguz.30 No século XI os seljúcidas começaram a emigrar para as regiões orientais da Anatólia, que se tornariam a pátria dos oguzes após a Batalha de Manziquerta, em 1071, na qual os turcos derrotaram os bizantinos. Esta vitória foi determinante para a formação do Sultanato seljúcida da Anatólia (ou Sultanato de Rum), que começou como um ramo separado do Império Seljúcida que dominava partes da Ásia Central, Irão, Anatólia e Sudoeste Asiático.
Em 1243 os exércitos seljúcidas foram derrotados pelos mongóis, o que causou a progressiva desintegração do poder seljúcida, que na prática passou para as mãos de uma série de principados (beilhiques ou beyliks) que, tendo começado por ser tributários do Sultanato de Rum, ganharam independência a partir do século XIII. Um destes beilhiques, o dos otomanos (osmanlı, "descendentes de Osman), acabou por se impor aos restantes, principalmente a partir do reinado de Osman I, que declarou a independência em 1299 e é oficialmente considerado o fundador da dinastia otomana. O beilhique otomano expandiu-se ao longo dos dois séculos seguintes, absorvendo os restantes estados turcos da Anatólia, e conquistando territórios na Trácia, Balcãs e no Levante, tornando-se o Império Otomano. Em 29 de maio de 1453 os otomanos liderados pelo sultão Mehmed II, apelidado de Fatih ("conquistador", "vitorioso"), acabaram com o Império Bizantino ao conquistarem a sua capital, Constantinopla, um acontecimento que muitos consideram marcar o fim da Idade Média. 
O Império Otomano atingiu o seu apogeu nos séculos XVI e XVII, quando foi uma das maiores potências mundiais, particularmente durante o reinado de Solimão, o Magnífico, que durou de 1520 a 1566. No final do século XVI, os territórios sob administração otomana estendiam-se sobre uma área de 5,6 milhões de km², que ia desde os Balcãs e partes da Hungria, a oeste, até ao que são hoje os países árabes, além de quase toda a costa mediterrânica do Norte de África e de todas as áreas costeiras do Mar Negro.
Os otomanos ameaçaram seriamente a Europa Central e Itália, tendo chegado a conquistar temporariamente alguns territórios, a cercar Viena em duas e a combater no sul da atual Polónia.10 No mar, os otomanos combateram pelo controle do Mediterrâneo com a Liga Santa, constituída por diversos estados cristãos, nomeadamente a República de Veneza, a Espanha e Áustria dos Habsburgos, os Cavaleiros de São João (Ordem de Malta) e a generalidade dos estados italianos. A expansão marítima otomana no Mediterrâneo só foi detida pela derrota na Batalha de Lepanto (7 de outubro de 1571). No Oceano Índico os otomanos combateram contra as armadas portuguesas para defenderem o monopólio ancestral do comércio marítimo entre a Índia e Ásia Oriental com a Europa, seriamente ameaçado pela descoberta do caminho marítimo para a índia por Vasco da Gama em 1498. Além dos confrontos militares com cristãos, os otomanos defrontaram-se ocasionalmente com os persas (por vezes aliados dos portugueses) nos séculos XVI, XVII e XVIII, quer por disputas territoriais, quer por diferendos religiosos.
 
Os séculos XVIII e XIX foram de declínio para o Império Otomano. Durante este período o império foi gradualmente diminuindo em tamanho, poderio militar e riqueza. No virar do século XIX para o século XX a Alemanha de Guilherme II tornou-se um dos principais aliados do império, o que levou os otomanos a entrar na Primeira Grande Guerra ao lado dos Impérios Centrais. A guerra representou uma pesada derrota para o Império Otomano, apesar das vitórias obtidas por Mustafa Kemal (que viria a ficar conhecido por Atatürk), nomeadamente a da Galípoli, uma derrota inesperada para as forças britânicas e francesas, onde morreram quase meio milhão de homens de ambos os lados e que fez de Mustafa Kemal um herói nacional.
A partir de 12 de novembro de 1918, logo a seguir ao Armistício de Mudros, que marcou o fim das hostilidades da Primeira Grande Guerra no Médio Oriente, as potências europeias vitoriosas ocuparam Constantinopla. Esmirna foi ocupada por tropas gregas a 21 de maio de 1919.
 
Em 1917, antes do fim da guerra, a França, Itália e Reino Unido tinham assinado o Acordo de Saint-Jean-de-Maurienne, que previa a partilha do Império Otomano após o fim da guerra. A 10 de outubro de 1920 o débil governo imperial foi forçado a assinar o Tratado de Sèvres, o qual previa a entrega à França e ao Reino Unido da Palestina, Síria, Líbano e Mesopotâmia, a desmilitarização e transformação em zonas internacionais dos estreitos do Bósforo, dos Dardanelos e do Mar de Mármara. O tratado determinava ainda a entrega à Grécia da região de Esmirna e de todos os territórios europeus à exceção de Constantinopla, de grande parte do leste e sudeste da Anatólia à França e da região de Antália e as ilhas do Dodecaneso (estas já efetivamente ocupadas desde 1911) a Itália.
 
A ocupação de Istambul pelos Aliados e de Esrmina pelos gregos, com o apoio tácito dos restantes Aliados, despoletou a criação do Movimento Nacional Turco, criado em 19 de maio de 1919 sob a liderança de Mustafa Kemal. O movimento opunha-se à divisão e ocupação do país e a sua fundação é geralmente apontada como o primeiro evento da Guerra de independência turca. Aos confrontos políticos somaram-se os militares, um pouco por toda a parte e envolvendo todos os lados, embora em diferentes graus.
 
A nordeste travou-se a Guerra Turco-Arménia, que terminou em dezembro de 1920 com os tratados de Alexandropol e de Kars.36 A Guerra Franco-Turca teve como palco o sudeste e sul — aí as hostilidades terminaram em março de 1921, com a assinatura do Tratado de Paz da Cilícia e posteriormente com o Tratado de Ancara, assinado em outubro.
Os combates mais sangrentos deram-se entre os nacionalistas turcos e as forças gregas (Guerra Greco-Turca), as quais chegaram a ter o controlo de grande parte da Anatólia a oeste e sudoeste de Ancara, quartel-general dos nacionalistas, a qual chegou a estar na eminência de ser conquistada.35 38 No verão de 1922 os nacionalistas turcos empreenderam uma ofensiva contra as forças gregas que culminou na tomada de Esmirna, que marcou a derrota definitiva dos gregos e ficou tristemente célebre pelas pilhagens, massacres e pelo grande incêndio que devastou a cidade.
 
A paz definitiva foi alcançada com o Armistício de Mudanya, assinado por todas as partes a 11 de outubro de 1922. A 24 de julho de 1923 foi assinado o Tratado de Lausana, onde se reconhecia formalmente o governo dos nacionalistas sediado em Ancara como sucessor do poder otomano e se definiam as fronteiras da Turquia.
O fim da guerra ficou marcado pela primeira transferência populacional compulsiva em larga escala do século XX, que envolveu a troca entre os cidadãos cristãos da Turquia (na sua maioria gregos ortodoxos) e os muçulmanos da Grécia.40 41 42 Calcula-se que cerca de 2 milhões de pessoas foram deslocadas das suas terras ancestrais.43 Os cristãos de Istambul foram poupados à expulsão, mas muitos deles optaram por emigrar. No entanto, as leis discriminatórias das décadas de 193044 e 1942 e os incidentes violentos de 1955 contra a comunidade grega de Istambul provocou a diminuição drástica do número de gregos nessa cidade, que passou de 200 000 em 1924 para pouco mais de 2 500 em 2006.
 
O Império Otomano terminou oficialmente em 1 de novembro de 1922, quando a Grande Assembleia Nacional aboliu o cargo de sultão, destituindo Mehmed II. O primo deste, Abdülmecid II, foi nomeado (apenas simbolicamente) califa. A República da Turquia foi oficialmente proclamada a 29 de outubro de 1923.10 A 3 de março de 1924 foi decretada a expulsão da família real otomana e abolição do califado, o que constituiu um claro sinal da laicidade e irreversibilidade do regime.
Mustafa Kemal tornou-se o primeiro presidente da república e empreendeu um vasto programa de reformas que tinha como objetivo tornar a Turquia um estado secular moderno, baseado na ideologia que é conhecida como kemalismo.10 As mulheres passaram a ter os mesmos direitos legais que os homens, inclusivamente de voto, algo que não existia então em muitos países europeus. Foi publicado um código civil baseado no Suíço e um código penal baseado no italiano.46 A educação passou para as mãos do estado, sendo as encerradas as escolas islâmicas.47 Em 1928 foi adotado o alfabeto turco, de grafia latina,48 em substituição dos alfabetos árabe e persa.
A Turquia permaneceu neutral durante a maior parte da Segunda Guerra Mundial, mas acabou por se juntar aos Aliados a 23 de fevereiro de 1945. Após o final do conflito tornou-se membro das Nações Unidas.50 A Guerra Civil da Grécia (1946-1949), que opôs o governo monárquico apoiado pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido, aos rebeldes comunistas, e as exigências da União Soviética em estabelecer bases militares nos Estreitos Turcos, levou os Estados Unidos à criação da Doutrina Truman, a qual defendia o apoio militar e económico em larga escala à Grécia e Turquia para conter a expansão comunista nos respetivos países.
Depois de participar nas forças das Nações Unidas que combateram na Guerra da Coreia, a Turquia aderiu à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN ou NATO) em 1952, tornando-se um bastião contra a expansão soviética no Mediterrâneo. Após uma década de violência étnica em Chipre e do golpe militar dos cipriotas gregos que depôs o arcebispo Makarios da presidência, a Turquia invadiu a ilha em 1974; nove anos depois foi proclamada a República Turca de Chipre do Norte, a qual só é reconhecida pela Turquia.
 
Até 1945, a República da Turquia foi um regime unipartidário. A transição para uma democracia pluripartidária foi tumultuosa. Em 1960, 1971, 1980 e 1997 ocorreram golpes de estado militares que interromperam a democracia e originaram governos muito repressivos.
O golpe militar de 1997 é chamado por muitos de golpe pós-moderno porque os militares não tomaram o poder de facto, limitando-se a impor as suas condições que passavam principalmente pela defesa da manutenção estrita do secularismo kemalista, por oposição às tendências islâmicas de alguns dos partidos mais votados.
A liberalização da economia iniciada na década de 1980 mudou completamente o panorama económico, com sucessivos períodos de crescimento acentuado e a crise do final da década seguinte. A cooperação económica da Turquia com a Comunidade Económica Europeia (CEE), a antecessora da União Europeia (UE), data de 1959, ano em que solicitou pela primeira vez a sua adesão. Desde 1963 que o país é um membro associado da CEE. Em 1987 foi apresentada formalmente a candidatura à adesão, mas as negociações formais só se iniciaram em 2005.
O referendo de 12 de setembro de 2010 abriu caminho a alterações constitucionais que vão no sentido de aproximar a democracia turca aos modelos ocidentais. O sim no referendo teve o apoio de setores islâmicos menos moderados porque se espera que a liberalização acabe de vez com as proibições radicalmente laicas impostas Atatürk, das quais a mais emblemática é a proibição do uso do véu em instituições públicas, nomeadamente escolas, o que, segundo alguns leva a que as jovens de famílias mais conservadoras tenham dificuldades no acesso à educação devido às crenças religiosas que as obrigam a usar véu em público.
 
A Turquia é um país transcontinental situado na Eurásia cujo território é aproximadamente um retângulo, localizado entre as coordenadas 36° a 42° norte e 26° a 45° leste, com cerca de 1 500 km na direção leste-oeste, 1 650 km na direção sudeste-noroeste e entre 450 e 650 km na direção norte-sul. A oeste do Mar de Mármara e dos Estreitos Turcos situa-se a parte europeia, a Trácia Oriental, que constitui 3% (23 764 km²) da área do país. A leste situa-se a parte asiática, a península da Anatólia, a qual constitui 97% (755 688 km²) da Turquia. A área total, incluindo lagos, é de 779 452 km², o que faz do país o 36º do mundo em superfície.
As variadas paisagens da Turquia são o produto de complexos movimentos telúricos que deram forma à região ao longo de milhões de anos e ainda se manifestam em terramotos relativamente frequentes. As últimas erupções vulcânicas ocorreram em tempos históricos, nomeadamente no Monte Argeu, próximo da atual Kayseri.71 72 O Bósforo, os Dardanelos e o Mar Negro devem a sua existência às falhas geológicas que atravessam o território turco. Os terramotos na Turquia são provocados principalmente pela Falha Setentrional da Anatólia e à Falha Oriental da Anatólia.
 
A maior cidade do país e da Europa, Istambul (anteriormente chamada Bizâncio, depois Constantinopla), encontra-se entre a Trácia e a Anatólia, dividida ao meio pelo Estreito do Bósforo. É a única cidade do mundo situada em dois continentes.
A Anatólia (também conhecida como Ásia Menor) está rodeada por mar em três dos seus lados — a sul pelo Mar Mediterrâneo, a oeste pelo Mar Egeu, a noroeste pelo Mar de Mármara e pelos Estreitos Turcos, e a norte pelo Mar Negro. Este está ligado ao Mar de Mármara pelo Estreito do Bósforo, que divide a antiga capital Istambul em duas. Por sua vez, o Mar de Mármara está ligado ao Mar Egeu pelo Estreito de Dardanelos.
A Trácia Oriental é constituída por colinas de pouca altitude e declive suave na sua maior parte, acentuando-se ligeiramente o relevo junto às costas do Mar de Mármara e do Bósforo. A Anatólia é formada por um planalto central, rodeado na sua maior parte de montanhas que o isolam do Mar Negro, do Mediterrâneo e do resto da Ásia, existindo também zonas montanhosas no interior. Entre as montanhas e as costas, existem geralmente planícies costeiras, geralmente estreitas, e vales, por vezes bastante largos, embora em muitos lugares as montanhas cheguem ao mar.
 
As montanhas tendem a ser mais altas a leste — tipicamente, os cumes mais altos a oeste não ultrapassam os 1 500 m, embora haja picos acima dos 2 000 m, como por exemplo o Uludağ, perto de Bursa e do Mar de Mármara, cujo ponto mais alto se situa a 2 543 m.76 Nas montanhas que rodeiam a Anatólia Central são comuns os cumes com mais de 2 000 m e existem diversos bastante mais altos. De forma semelhante, o terreno do chamado planalto da Anatólia, um termo que alguns aplicam a uma faixa a oeste do Lago Tuz e outros a praticamente toda a Anatólia Central, é progressivamente mais acidentado, variando a altitude média entre os 600 e os 1 200 m. Nas regiões mais a leste, onde o planalto é substituído por terrenos mais montanhosos, as altitudes médias mais comuns situam-se entre os 1 500 e os 2 000 m.
 
As cordilheiras mais extensas e mais altas são os Montes Tauro (Toros Dağları), a sul e leste, e os Montes Pônticos (Kuzey Anadolu Dağları), a nordeste. Entre as costas norte e noroeste da Anatólia e o interior erguem-se os Montes Köroğlu.77 A montanha mais alta da Turquia é o Monte Ararat (Ağrı Dağı), um vulcão extinto com 5 165 m, onde, segundo a tradição judaico-cristã, atracou a Arca de Noé, a qual, segundo a lenda, está enterrada no cume. O Monte Ararat e o seu vizinho "Pequeno Ararat" (também chamado Monte Sis ou Küçük Ağrı em turco) situam-se no Planalto Arménio, junto ao local onde se encontram as fronteiras da Turquia, Arménia e Irão. São geralmente classificados como montanhas isoladas, mas também se usa o termo "maciço de Ağrı" para designar a formação montanhosa onde se inserem. Outros autores consideram o maciço como parte do Cáucaso e outros como fazendo parte do Tauro Oriental.
 
Embora a maior parte do território da Turquia tenha um clima que se pode considerar mediterrânico, a variedade da topografia e principalmente a existência de cadeias de montanhas que correm paralelamente a quase todas as regiões costeiras, que impedem que a influência marítima avance para o interior, criam grandes variações climáticas regionais.
 
O clima das áreas litorais do Egeu e do Mediterrâneo é do tipo mediterrânico, com invernos chuvosos e verões quentes e relativamente secos, embora com elevada humidade relativa. As temperaturas no inverno podem ser bastante baixas, principalmente a ocidente, mas geralmente são relativamente amenas, sobretudo a leste de Antália.
Na região de Mármara e do Bósforo, uma zona de transição entre o clima mediterrânico, a sul, e o clima oceânico do Mar Negro, a norte, as condições climatéricas têm muitas semelhanças com as do sul e norte. No entanto, os invernos tendem a ser mais frios, sendo frequentes temperaturas negativas e neve no inverno, alguns dias frios na primavera, verão e outono, e chuvas estivais. À semelhança do que se passa na generalidade da Anatólia ocidental, as temperaturas médias rondam os 5 °C no inverno, com mínimas muito próximas de 0 °C, e 23 °C no verão, sendo frequentes máximas próximas dos 35 °C.
As regiões costeiras do Mar Negro, que têm um clima oceânico, são húmidas e apresentam verões menos quentes e mais chuvosos que as restantes áreas costeiras.82 83 84 86 O interior da Anatólia, com um clima continental semi-árido, apresenta grandes amplitudes térmicas, tanto diárias como anuais, com verões muito quentes e invernos muito rigorosos. Nas regiões de leste e sudeste os invernos são longos e mais frios do que no resto do território — algumas zonas ficam cobertas de neve entre novembro e abril. As áreas mais secas situam-se na Região do Sudeste da Anatólia e na província de Konya, onde a precipitação média anual não ultrapassa os 300 mm.
 
 
O turco van, uma das mais raras espécies de gato do mundo.
A fauna e a flora turcas estão sob proteção do Estado em parques nacionais e reservas, locais estes estabelecidos para preservar plantas e animais da devastação agrícola e industrial. A vegetação típica da Turquia reflete a variedade exibida no seu território. Como exemplo, vê-se na costa do Mediterrâneo a predominância do verde, com a presença da podocytisus e de plantações comuns na área, como a de oliveiras e parreiras. Já na região central, predominam as estepes donas de uma variedade diferente de flores, como os grandes narcisos amarelos, enquanto na parte montanhosa prevalecem raras tulipas e jacintos azuis. Existem ainda densas florestas coníferas na cadeia do Tauro, lar de peónias e orquídeas; e vales verdes de vegetação silvestre e pinheiros ao longo da costa do Mar Negro.
Em geral, compõem a fauna turca, ursos, lobos, águias, o leopardo-da-anatólia e outras variedades. Na região do Bósforo, podem verificar-se diversas aves de rapina num total de 440 espécies diferentes, sendo a Reserva Natural Kuşcennetti, o melhor local para observá-las. Nos ribeiros das montanhas encontram-se espécies de peixes e na região do Lago Van, vê-se o nativo turco van, exemplar de pelagem branca, densa e manchada em tom vermelho gengibre na cauda, às vezes com um olho dourado e outro azul, considerada uma das raças mais raras do mundo.
 
Segundo dados de 2012, a Turquia tinha 75 627 384 habitantes, 50,2% do sexo masculino (37 956 168) e 49,8% (37 671 216) do sexo feminino; 77,3% da população (58,45 milhões de habitantes) residia em capitais de distrito ou de província.1 Em 2009, 17,8% dos habitantes residiam em Istambul e 6,4% em Ancara, as duas maiores cidades. A taxa de crescimento populacional foi, nesse mesmo ano, 14,5 ‰, embora 14 das 67 províncias tenham registado uma diminuição de população em 2009. A densidade populacional era 92,6 hab./km², variando entre 2 486 na província de Istambul e 11 na província de Tunceli. A faixa etária entre os 15 os 64 anos correspondia a 67% da população; 26% da população tinha menos de 15 anos e 7% mais de 64 anos; metade da população tinha menos de 28,8 anos.89
Segundo dados de 2006, a esperança de vida era de 73,2 anos (71,1 para os homens e 75,3 para as mulheres). A taxa de mortalidade infantil era 17,5 ‰, a taxa de fertilidade 2,2 e a taxa de mortalidade 6,3 ‰.90 A taxa de alfabetização era de 88,1% (96% para os homens e 80,4% para as mulheres).91 A diferença destes números deve-se sobretudo aos hábitos dos grupos mais tradicionalistas árabes e curdos que vivem nas províncias do sudeste de não enviarem as suas meninas para escola.
 
É frequente considerar-se que a maior parte da população da Turquia é de "etnia turca" (entre 7011 e 88%,94 conforme as fontes). No entanto, atendendo à grande diversidade de povos que habitaram o que é hoje a Turquia desde há milhares de anos, à inevitável miscigenação, ao carácter multiétnico e multicultural do Império Otomano e ao facto de oficialmente todos os cidadãos nacionais serem turcos, não há certezas quanto à verdadeira origem étnica da maioria da população dita "turca", sendo que é provável que uma parte considerável não seja diretamente aparentada com os povos turcomanos asiáticos aos quais se associa historicamente o termo "turco".
 
O facto da tradição política kemalista, seguida por quase todos os governos republicanos, não reconhecer formalmente a existência da maior parte das minorias étnicas origina que existam muito poucos dados estatísticos fiáveis e precisos sobre o panorama étnico do país.94 95 96 As únicas minorias reconhecidas oficialmente são as que constaram no Tratado de Lausana: arménios, gregos e judeus.97 Os curdos constituem a minoria étnica mais numerosa (as estimativas variam entre 9% e 18%).98
Nas últimas décadas, uma parte considerável das minorias étnicas tem vindo a emigrar para as grandes cidades, por vezes distantes dos seus territórios ancestrais, e para o estrangeiro. As minorias de zazas,99 árabes (que em 1995 se estimavam entre 80 000 e um milhão),100 yörük,101 e assíriosnt 4 são originárias do leste e sudeste. A nordeste encontram-se diversas minorias de origem caucasiana: circassianos e várias etnias de georgianos, nomeadamente abecásios, adjarianos, hemichis e lazes. Aí viviam também os "gregos pônticos" até à década de 1920.97
Os gregos eram uma das minorias mais importantes no período otomano, mas em 1995 estimava-se que o número de gregos não ultrapassava 20 000, que habitavam quase todos em Istambul.102 Estima-se em 40 000 o número de arménios turcos, grande parte deles residentes em Istambul, onde ainda formam uma comunidade próspera.103 Há ainda alguns descendentes de povos originários da Europa Oriental (albaneses, bosníacos e pomaks [búlgaros]) e Europa Ocidental.97 Estes são usualmente designados como levantinos,nt 5 sendo a maior parte descendente das prósperas e relativamente numerosas antigas comunidades francesa e italianas (sobretudo genovesa e veneziana), cujas famílias em alguns casos estão na Turquia desde a Idade Média. Estas comunidades foram numerosas sobretudo em Istambul e Esmirna, mas atualmente são diminutas.
 
O turco é a única língua oficial da Turquia. Contrariamente às línguas mais faladas na região do mundo onde se insere, é uma língua não indo-europeia, de raiz altaica,105 que é falada não só pelos naturais da Turquia ou seus descendentes, nomeadamente na Europa Ocidental, onde há muitos imigrantes turcos,106 mas também por diversas populações de outras regiões relativamente próximas da Turquia na Europa e da Ásia.105 107 108 109 Segundo algumas fontes, em 1996 era a 15ª língua mais falada do mundo.
Além de ser a língua oficial e língua materna de mais de 84%95 ou 90%109 da população, estima-se que praticamente toda a população use o turco como segunda língua.95 Embora um artigo da constituição turca de 1982 proíba a discriminação com base na língua, contraditoriamente, o uso público e o ensino de outras línguas que não o turco são proibidas noutros artigos. As únicas exceções, resultantes do Tratado de Lausana, são o grego, arménio e as línguas hebraicas, nomeadamente o ladino, apesar de em alguns estabelecimentos privados se ministrarem aulas em inglês, francês e alemão, em certos casos em escolas fundadas no século XIX.
A segunda língua mais falada é o curdo, língua materna de cerca de 14% da população111 e lingua franca em muitas partes do sudeste da Anatólia, inclusivamente para não curdos. Muitos dos grupos étnicos referidos anteriormente têm as suas próprias línguas.
 
A Turquia é um estado secular, sem religião oficial; a constituição consagra a liberdade religiosa e de consciência.112 113 O Islão é a religião dominante no país em número de seguidores — 97%114 ou 98%115 116 da população é muçulmana "praticante", um número que segundo algumas fontes sobe para mais de 99% (alguns referem 99,8%11 ) se os "não praticantes" forem contabilizados.114 117 No entanto há estudos que apontam para que a percentagem de muçulmanos que observam a generalidade dos preceitos islâmicos, como o de rezar todos os dias e ir à mesquita pelo menos na sexta-feira, não ultrapasse os 66%.
A maioria da população não muçulmana (entre 0,2% e 1%) é cristã (140 000; 0,2%),118 mas também há judeus (c. 35 000),119 120 121 yazidis (c. 2 500),122 123 yarsanistas (50 000)118 e bahá'ís (c. 15 000).124 118 Os cristãos são sobretudo apostólicos ou ortodoxos arménios (50 000),125 católicos romanos de rito arménio (2 500), protestantes arménios (500)126 e ortodoxos sírios (15 000), mas também há católicos romanos de rito latino (5 000), católicos romanos de rito caldeu (5 000), ortodoxos gregos (entre 3 000 e 4 000)125 e protestantes (3 000). Os restantes credos cristãos têm cerca de 3 000 seguidores.118 Segundo um estudo de 2007, cerca de 3% da população turca é ateia ou agnóstica.
 
O papel da religião tem originado alguma controvérsia desde que surgiram os primeiros partidos islamistas.128 A República da Turquia foi fundada sobre uma constituição estritamente secular que proíbe a influência de qualquer religião, incluindo o Islão, e há algumas questões sensíveis que são fonte de incessantes polémicas e debates, nomeadamente a proibição de algumas peças de vestuário em escolas, universidades e edifícios públicos, como o hijab (lenço ou peça de pano para cobrir a cabeça das mulheres), que os setores mais fiéis ao kemalismo vêm como símbolos muçulmanos. Tem havido diversas tentativas para acabar com essas proibições por parte das forças políticas islamistas que desde os anos 1990 têm estado no governo. Ao contrário do que se passa na generalidade de outros países islâmicos, as forças políticas mais tradicionalistas e conservadoras da Turquia são fortemente laicas, enquanto que os islamistas moderados se encontram entre os adeptos mais convictos de uma aproximação e abertura ainda maior ao Ocidente, nomeadamente defendendo a adesão à União Europeia, a qual implica uma série de reformas liberalizantes tanto no plano económico, como a no plano social e legal.
 
A Turquia é uma democracia representativa parlamentar. Desde a fundação da república em 1923 que o país desenvolveu uma forte tradição de secularismo. A Constituição da Turquia governa o quadro jurídico do país, estabelece os princípios de governo e consagra a Turquia como um estado unitário centralizado.
O Presidente da República é o chefe de estado e o seu papel é em grande parte cerimonial, competindo-lhe as funções de representar o país e velar pela sua unidade. É o comandante supremo das forças armadas em nome do parlamento (Grande Assembleia Nacional) e tem o poder de dissolver o parlamento e convocar eleições. O presidente é eleito por sufrágio universal direto para um mandato de cinco anos. Os candidatos a presidente são propostos por pelo menos vinte membros do parlamento.135 O presidente da república atual (2011), Abdullah Gül, o primeiro presidente da república turco que é um muçulmano devoto, foi eleito no dia 28 de agosto de 2007, sucedendo a Ahmet Necdet Sezer.
O poder executivo é exercido pelo governo, liderado pelo primeiro-ministro, que preside ao Conselho de Ministros. O poder legislativo é exercido pela Grande Assembleia Nacional da Turquia, um parlamento unicameral. O poder judiciário é independente do poder executivo e legislativo. O Tribunal Constitucional pronuncia-se sobre a conformidade das leis e decretos com a constituição. O Supremo Tribunal é o tribunal de última instância para julgar todos os processos, exceto os administrativos, cuja instância superior é o Conselho de Estado.
O primeiro-ministro é eleito pelo parlamento por um voto de confiança no governo; na maioria das vezes é o líder do partido que tem a maioria de assentos parlamentares. O atual primeiro-ministro é o ex-prefeito de Istambul, Recep Tayyip Erdoğan, cujo Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), de tendência conservadora e islamista moderada, ganhou a maioria absoluta dos assentos parlamentares nas eleições gerais de 2002, organizadas na sequência da crise económica de 2001, com 34,2% dos votos.
Nas eleições gerais de 2007, o AKP obteve 46,6% dos votos, mantendo a maioria absoluta no parlamento.138 Nas eleições de 12 de junho de 2011, Erdoğan ganhou pela terceira vez consecutiva, tendo o AKP obtido 49,8% dos votos. Apesar disso significar um aumento de 3,25% em relação às eleições anteriores, o partido perdeu 14 deputados e a vitória teve algum sabor de derrota, pois era intenção de Erdoğan ultrapassar os 66% dos lugares parlamentares que lhe permitiriam fazer as mudanças constitucionais que pretende sem precisar de votos de outros partidos.
 
Embora não seja obrigatório que os ministros sejam membros do parlamento, isso é muito comum na política turca. Em 2007 e 2008 ocorreram uma série de polémicas sobre a laicidade do estado e o papel do poder judicial sobre a legislação. Estas incluíram a controversa eleição presidencial de Abdullah Gül, que no passado esteve ligado a partidos islâmicos,136 e a proposta do governo para levantar a proibição do véu nas universidades. Esta proposta foi anulada pelo Tribunal Constitucional, que além disso aplicou uma multa ao partido no poder; este esteve à beira de ser proibido e 71 dos seus membros, incluindo o primeiro-ministro, correram riscos de serem proibidos de pertencer a um partido político durante cinco anos,140 o que seria uma repetição noutros moldes do que se passou em 1997, quando o governo foi forçado a demitir-se.
O sufrágio universal para ambos os sexos tem estado em vigor em toda a Turquia desde 1933, estando assegurado por lei o direito de voto a todos os cidadãos turcos com mais de 18 anos de idade. Em 2004, havia 50 partidos políticos registados no país.141 O Tribunal Constitucional pode retirar o financiamento público ou banir os partidos políticos considerados anti-seculares ou separatistas.
O parlamento tem 550 deputados, os quais são eleitos para mandatos de quatro anos em listas partidárias de representação proporcional, uma por cada um dos 85 círculos eleitorais. Estes círculos representam as 81 províncias administrativas da Turquia. Devido ao elevado número de votantes, a província de Istambul é dividida em três círculos, enquanto a de Ancara e Esmirna são divididas em dois cada uma. Para evitar um parlamento dividido e uma excessiva fragmentação política, só os partidos que com pelo menos 10% dos votos a nível nacional têm direito a representação parlamentar.141 Devido a este limite, nas eleições de 2002 só dois partidos conseguiram representação parlamentar.143 Em 2007144 e 2011 apenas três partidos obtiveram representação, embora em 2011 tenham sido eleitos 35 deputados independentes, apoiados pelo partido curdo da Paz e Democracia (Barış ve Demokrasi Partisi, BDP).
Os direitos humanos na Turquia têm sido objeto de muita controvérsia e condenação internacional. Entre 1998 e 2008, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos emitiu mais de 1 600 sentenças contra a Turquia por violações dos direitos humanos, particularmente por violações do direito à vida e pelo uso de tortura. Outras questões, como os direitos dos curdos, os direitos das mulheres e a liberdade de imprensa também têm gerado controvérsia. O historial da Turquia em matéria de direitos humanos continua a ser um obstáculo significativo à futura adesão à União Europeia.145 O país é também ainda acusado internacionalmente por ocupação ilegítima de propriedades na República Turca de Chipre do Norte.
 
A Turquia é membro fundador da Organização das Nações Unidas (1945), da OCDE (1961), da OIC (1969), da OSCE (1973), do ECO (1985), da BSEC (1992) e do G20 (1999). Em 17 de outubro de 2008, a Turquia foi eleita como membro não-permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o que já tinha acontecido em 1951-1952, 1954-1955 e 1961.
 
Em consonância com sua orientação ocidental tradicional, as relações com a Europa sempre foram um elemento central da política externa turca. Em 1949 a Turquia tornou-se membro do Conselho da Europa e em 1963 tornou-se membro associado da Comunidade Económica Europeia (CEE), a antecessora da União Europeia (UE), um estatuto a que se tinha candidatado em 1959. Depois de décadas de negociações, o país candidatou-se à adesão plena da CEE em 1987. Em 1992 foi assinado o Acordo de Ancara, que admitiu a Turquia como membro da União da Europa Ocidental (UEO). Em 1995 concluiu um acordo de união aduaneira com a UE e em 2005 foram finalmente iniciadas as negociações formais para a adesão plena à UE.
A Turquia não reconhece a República de Chipre (que atualmente apenas ocupa de facto a parte da ilha maioritariamente grega) como única autoridade da ilha desde 1974, pois é o único país que reconhece a República Turca de Chipre do Norte.
Outro aspeto importante das relações exteriores da Turquia tem sido os seus laços com os Estados Unidos. Com base na ameaça comum representada pela União Soviética, a Turquia aderiu à OTAN em 1952, assegurando as suas estreitas relações bilaterais com Washington durante a Guerra Fria. No ambiente pós-Guerra Fria, a importância geoestratégica da Turquia manteve-se devido à sua proximidade com o Oriente Médio, Cáucaso e Balcãs. Desde a década de 1940 que os Estados Unidos têm apoiado a Turquia nos campos militar, político, diplomático e económico, inclusivamente em questões fundamentais como a adesão à União Europeia.
A independência dos estados turcos da União Soviética em 1991, com o qual a Turquia compartilha um património cultural e linguístico comum, permitiu à Turquia alargar as suas relações económicas e políticas na Ásia Central,150 abrindo caminho à construção do Oleoduto Baku-Tbilisi-Ceyhan, um projeto de milhares de milhões de dólares que transporta petróleo e gás natural desde Baku, no Azerbaijão, ao porto de Ceyhan, na província de Adana, no sudeste da Turquia. O oleoduto faz parte da estratégia turca para se tornar um canal de energia para o Ocidente. No entanto, a fronteira da Turquia com a Arménia, permanece fechada desde a Guerra de Nagorno-Karabakh (1988-1994).
 
As Forças Armadas da Turquia são formadas pelo Exército, Marinha e Força Aérea. A Gendarmaria e a Guarda Costeira operam como parte do Ministério da Administração Interna em tempo de paz, apesar de serem subordinados, respectivamente, aos Comandos do Exército e Marinha em tempos de guerra, durante os quais ambos têm funções militares além da de aplicação da lei interna.
As forças armadas turcas são a segunda maior força armada permanente da OTAN, após as Forças Armadas dos Estados Unidos, com uma força combinada de pouco mais de um milhão de pessoal uniformizado servindo nos seus cinco ramos.61 Todos os cidadãos do sexo masculino são obrigados a servir nas Forças Armadas por um período que varia de três semanas a quinze meses, dependente da educação e do local de trabalho.
A Turquia é um dos cinco países membros da OTAN que fazem parte da política nuclear partilhada da aliança, juntamente com a Bélgica, Alemanha, Itália e Países Baixos. Em 2005, 90 bombas nucleares B61 estavam armazenadas na Base Aérea de İncirlik, das quais 40 estão reservadas para uso da Força Aérea turca.
Em 1998, a Turquia anunciou um programa de modernização militar no valor de 160 mil milhões de dólares ao longo de um período de vinte anos em vários projetos, incluindo tanques, caças, helicópteros, submarinos, navios de guerra e espingardas automáticas. O país é classificado no nível 3 como colaborador do programa de produção do Caça furtivo F-35 Lightning II.
A Turquia tem mantido forças em missões internacionais no âmbito das Nações Unidas e da OTAN desde 1950, incluindo missões de paz na Somália e na ex-Jugoslávia e no apoio às forças da coligação na Primeira Guerra do Golfo. A Turquia mantém 36 mil soldados no norte de Chipre, cuja presença é apoiada e aprovada pelo governo local, mas a República do Chipre e a comunidade internacional consideram uma força de ocupação ilegal, tendo a sua presença tem sido denunciada em vários Conselhos de Segurança das Nações Unidas.158 A Turquia teve tropas no Afeganistão como parte da força de estabilização autorizada dos EUA e da ONU, comandada pela Força Internacional de Assistência para Segurança (FIAS) desde 2001.61 159 Em 2006, o parlamento turco enviou uma força de paz de navios-patrulha da Marinha e cerca de 700 tropas no terreno como parte da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (FINUL), na sequência do conflito entre Israel e Líbano.
O Chefe do Estado-Maior Geral é nomeado pelo presidente e é responsável perante o primeiro-ministro. O Conselho de Ministros é responsável perante o Parlamento em questões relacionadas com a segurança nacional e a preparação adequada das forças armadas para defender o país. No entanto, a autoridade para declarar a guerra, para enviar forças armadas turcas para outros países ou para permitir que forças armadas estrangeiras estacionem no território nacional é exclusiva do parlamento. O comandante atual das forças armadas é o Chefe do Estado-Maior General Işık Koşaner, desde 30 de agosto de 2010.
 
A Turquia tem o 15º maior PIB PPC (Paridade do Poder de Compra) do mundo163 e o 17º o maior PIB nominal.164 O país é membro da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e do G20. Durante as primeiras seis décadas da República, entre 1923 e 1983, na economia predominou uma abordagem quase-estatal, com planeamento governamental rigoroso, com limitações sobre a participação do setor privado, comércio externo, fluxo de moeda estrangeira e investimento direto estrangeiro. Em 1983, o primeiro-ministro Turgut Özal iniciou uma série de reformas destinadas a abrir a economia, substituindo o sistema estatista isolado por uma economia de mercado.
As reformas que promoveram o crescimento rápido, um processo que foi marcado por fortes recessões e crises financeiras em 1994, 1999 (após o terremoto daquele ano) e 2001. Entre 1981 e 2003 a média de crescimento anual do PIB foi de 4% por ano .168 A falta de reformas fiscais adicionais, combinada défices do setor público elevados e crescentes e a corrupção política generalizada resultaram em inflação alta, um setor bancário fraco e aumento da volatilidade macroeconómica.
Desde a crise económica de 2001 e das reformas iniciadas pelo ministro das finanças da época, Kemal Derviş, a inflação caiu para números de um dígito, a confiança dos investidores, os investimentos estrangeiros aumentaram e o desemprego caiu. O FMI previa uma taxa de inflação de 6% para a Turquia em 2008.170 A Turquia tem aberto os seus mercados através de reformas económicas, reduzindo o controle governamental sobre o comércio, os investimentos estrangeiros, promovendo a privatização de setores públicos e a liberalização de muitos setores. A participação privada e estrangeira continuou a ser tema muito debatido politicamente. A dívida pública em relação ao PIB, embora muito abaixo do seu nível durante a recessão de 2001, atingiu 46% em 2010.
 
A taxa de crescimento do PIB de 2002-2007 foi em média 7,4%,173 o que fez da Turquia uma das economias que mais cresceram no mundo durante esse período. No entanto, o crescimento do PIB desacelerou para 4,5% em 2008, e no início de 2009, a economia turca foi afetada pela crise financeira global, com o FMI aponta para uma recessão global de 5,1% para aquele ano, em comparação com a estimativa do governo turco de 3,6%.
A economia da Turquia é cada vez mais dependente da indústria nas grandes cidades, sobretudo concentrada nas províncias ocidentais do país, e menos da agricultura. No entanto, a agricultura ainda é um dos principais pilares da economia turca. Em 2007, o setor agrícola foi responsável por 27% do emprego e 9% do PIB, enquanto o setor industrial respondeu por 31% e o setor terciário representou 59%.175
O setor do turismo tem experimentado um crescimento rápido nos últimos 20 anos, e constitui uma parte importante da economia. Em 2008 registaram-se 31 milhões de turistas estrangeiros, contribuíram com US$ 22 mil milhões para as receitas da Turquia.
Outros setores-chave da economia turca são o bancário, da construção, de eletrodomésticos, eletrónica, têxteis, petroquímica, alimentação, mineração, siderurgia e indústria de máquinas e indústria automobilística. A Turquia tem uma vasta e crescente indústria automobilística, a qual produziu 1 147 110 veículos em 2008, o que coloca o país como 6º maior produtor da Europa (atrás do Reino Unido e acima de Itália) e o 15º do mundo.177 178 A Turquia também é uma das principais nações da construção naval. Em 2007, o país ocupou a quarta posição no mundo (atrás da China, Coreia do Sul e Japão) em termos do número de navios encomendados, e em 4º (atrás da Itália, EUA e Canadá) em termos do número de mega-iates.179
A Turquia beneficiou da união aduaneira com a União Europeia, assinada em 1995, para aumentar a sua produção industrial destinada à exportação e o investimento estrangeiro no país. O país usufrui ainda de um acordo de comércio livre com a União Europeia que dá aos produtos turcos acesso livre a todo o mercado da UE.180 181 Em 2007 as exportações tinham atingido 115 000 milhões $US, tendo como principais destinos a Alemanha (11%), Reino Unido (8%), Itália (7%), França (6%), Espanha (4%), e EUA (4%). No total, as exportações para a UE representaram nesse ano 57% do total. As importações totalizaram 162 mil milhões * US$ em 2007, o que ameaçava o equilíbrio da balança comercial. Os principais parceiros de importação foram a Rússia (14%), Alemanha (10%), China (8%), Itália (6%), EUA (5%), França (5%), Irão (4%) e Reino Unido (3%). As importações da UE representaram 40% do total e as da Ásia 27%. Em 2008, as exportações turcas ascenderam a 142 mil milhões * e as importações a 205 mil milhões * US$.182 183
Depois de anos de baixos níveis de investimento estrangeiro direto (IED), o país conseguiu atrair 22 mil milhões * $US em IED em 2007 e esperava-se que atraísse um número maior nos anos seguintes.184 Uma série de grandes privatizações, a estabilidade promovida pelo início das negociações de adesão da Turquia à UE, o crescimento forte e estável, e as mudanças estruturais no sistema bancário, comércio retalhista e telecomunicações têm contribuído para o aumento do investimento estrangeiro.
 
O sistema educativo da Turquia foi implementado de acordo com as reformas de Atatürk, ocorridas após da Guerra de Independência. É um sistema supervisionado pelo Estado, projetado para formar mão-de-obra capacitada para o desenvolvimento socioeconómico do país.185
Em 2009, o orçamento do ministério da educação foi de 27 883,7 milhões de liras turcas (cerca de 19 000 milhões US$), a que se somaram 8 772,7 milhões de liras para o ensino superior (cerca de 5 500 mihões US$). A percentagem do orçamento de estado com educação foi 14%, correspondente a 3,3% do PIB; em 1997 as mesmas percentagens foram de, respetivamente, 11,2% e 2,4%.
A taxa de alfabetização em 2006 era de 88,1% e em 1998 o número médio de anos de escolarização completados era 5,97. No ano letivo de 2008/2009 as percentagens de jovens que frequentavam o nível de ensino correspondente à sua faixa etária eram as seguintes: 96,5% (ensino básico), 58,5% (ensino secundário) e 27,7% (ensino superior); considerando as faixas etárias subjacentes, esses números subiam para, respetivamente, 103,8%, 76,6% e 44,3%.186
O ensino básico é obrigatório a partir dos sete anos e tem a duração de oito anos. O ensino secundário tem a duração de três anos e os cursos superiores duram dois ou quatro anos (mais um ou dois para mestrados) e requerem um exame de admissão. Só o ensino superior não é gratuito, variando o pagamento anual entre 100 e 350 $US. No início da década de 2000, só um terço dos candidatos às universidades públicas obtinha colocação.
 
A diversidade da cultura turca reflete a mistura de vários elementos das culturas e tradições dos povos turcos, especialmente de raiz oguz, que ocuparam o território que constitui atualmente o país desde o século XI, nativos da Anatólia, otomana (que por sua vez é uma continuação da cultura greco-romana, islâmica) e ocidental moderna. A influência desta última começou a ser mais notória a partir do Tanzimat, o período de reformas de modernização levadas a cabo entre 1839 e 1876, teve um grande impulso com as reformas de Atatürk no início do século XX e continua ainda hoje. Esta mistura de culturas começou em resultado do encontro dos turcos ancestrais com os povos que encontraram na sua rota de migração desde a Ásia Central até ao Ocidente.
À medida que a Turquia evoluiu do Império Otomano, muito baseado na religião (não só muçulmana, já que as restantes igrejas, com destaque para a ortodoxa grega tinham um papel importante no império), para um estado-nação moderno com uma forte separação entre o estado e a religião, assistiu-se a um aumento nas formas de expressão artística. Durante os primeiros anos da república, o governo investiu muitos recursos nas Belas-artes, criando e ampliando museus, teatros, salas de ópera e investindo em obras aqruitetónicas. Vários fatores históricos têm papéis importantes na definição da identidade turca contemporânea. A cultura turca é um produto dos esforços no sentido de tornar o país um "estado ocidental moderno" ao mesmo tempo que se mantêm muitos dos valores tradicionais religiosos e históricos.
 
A música e literatura turca são bons exemplos dessa mistura de influências culturais, que resultam da interação entre o Império Otomano, o mundo islâmico e a Europa, contribuindo para uma combinação de tradições turcomanas, islâmicas e europeias presente na produção musical e literária contemporânea da Turquia.202 A literatura turca foi fortemente influenciada pela literaturas persa e árabe durante a maior parte da era otomana, embora no final, particularmente após o Tanzimat, começasse a ser cada vez mais notória a influência tanto do folclore turco como das tradições literárias europeias. A mistura de influências culturais está patente, por exemplo, na forma de «novos símbolos do choque e entrelaçamento de culturas» presentes nas obras de Orhan Pamuk, o vencedor do Prémio Nobel da Literatura de 2006.

Os elementos arquitetónicos encontrados na Turquia também atestam a fusão única de tradições que influenciaram a região ao longo da História. Aos elementos de tradição bizantina presentes em numerosas partes do país, somam-se muitos artefactos da arquitetura otomana posterior, com a sua requintada combinação de tradições locais e islâmicas. As obras da arquitetura otomana estão presentes não só em toda a Turquia, mas também em muitos dos territórios que integraram o império. Mimar Sinan (1490-1588) é considerado quase unanimemente o mais genial arquiteto do período clássico otomano. A partir do século XVIII, a arquitetura turca começa a ser cada vez mais influenciada por estilos ocidentais, o que pode ser observado principalmente em Istambul, onde edifícios como os palácios imperiais de Dolmabahçe e de Çırağan se encontram ao lado de numerosos arranha-céus modernos, todos eles representando diferentes tradições.
© www.travelerturkey.com
Alemdar Mah. Salkim Sogut Sok. No:4/3 Eminonu-Fatih/ISTANBUL, TURKEY - +90 212 511 68 03